sábado, 6 de setembro de 2008

Des[ligamento]



.
.
.
.

e em um dia como em outro qualquer


decidi parar e pensar

.

pensei nos rostos sem fisionomias que me cercavam

nas palavras de quem ainda não tinha analogia própria, e mesmo assim persistia

.

percebi que minha fragilidade não mais existia

que pessoas importantes se distanciavam, dando lugar a outras

[não que fossem substituíveis]

.

percebi que embora as adversidades de uma noite tempestuosa

pela manhã seguinte o sol sairia

.

passei a organizar minha gaveta

[sem música]

[sem dança]

[sem fundo]

[sem fundamento]

.

deixei de viver histórias antigas

viver de papéis e recordações

.

queimei vidas que se passaram

destrui o que restava

[fui infeliz por ser feliz!]

.

desde então, ao fechar portas, deixei outras abertas

não quis correr o risco

de perder as chaves novamente

de, no outono, permanecer sozinho

.

ainda uso o espelho pra provar

[pra mim mesmo]

que sou forte

e que a covardia não me abateu

.
.
.
.





1 comentário:

Xelhi disse...

belíssimo texto. É de qual autor?